quinta-feira, 22 de maio de 2014

FIFA quer proibir radinhos de pilha nos estádios da Copa 2014

Como se não bastasse a perda de soberania brasileira na Copa 2014, a dona FIFA pretende proibir a entrada de torcedores com radinhos de pilha nos estádios durante os jogos da Copa. Sob a alegação de que os torcedores poderiam arremessar os dispositivos radiofônicos e as pilhas no campo sobre os jogadores e os integrantes da arbitragem.

Ah, levar celular pode. Vai ver, é porque são bem mais caros e a dona FIFA acha que os torcedores não vão querer se desfazer de seus telefones móveis.

No sábado passado, em jogo-teste para a Copa válido pelo Brasileirão, torcedores foram impedidos de entrar no Estádio Beira-Rio com radinhos de pilha para assistirem a partida entre Internacional e Atlético Paranaense.

Bem se vê que a dona FIFA está se lixando para a cultura futebolística dos brasileiros apreciadores desse esporte. Mas quem foi que disse que a FIFA respeita qualquer coisa deste país?

Rádio de pilha nos estádios brasileiros é rotina desde o advento dos rádios transistorizados. Hoje há quem prefira ouvir as transmissões dentro dos estádios usando celulares que recebem as transmissões, geralmente via FM ou Internet, já que o AM é boicotado pelos fabricantes de celulares. Mas os radinhos de pilha resistem nos estádios, mesmo em menor quantidade.

Fontes da notícia: Rádio Guaíba e Blog Mílton Jung.

Mais comentários no Grupo do Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Dados sobre o rádio popular no século XXI

O rádio popular do Rio tem alguns dados interessantes. Quem ouve a FM O Dia, a Beat 98 e a Nativa FM percebe que são, efetivamente, rádios FM. Sucessos populares o dia todo. Já a Tupi AM e a Manchete AM são, efetivamente, rádios AM. São rádios ecléticas. Programas de comunicador, utilidade pública, entretenimento, futebol, etc.

Desde o início do século, a Rádio Globo deixou de ser rádio AM mas não virou FM. Não é AM nem FM, embora esteja fisicamente nos dois dials. Virou uma coisa, assim, híbrida, sem cara, sem carisma. Querem conquistar o ouvinte de FM com essa programação mistureba que não agrada nem o ouvinte de FM nem o ouvinte de AM. O resultado está aí: o ouvinte de AM prefere a Tupi ou outras rádios e o de FM prefere a FM O Dia, a Beat 98 ou a Nativa FM. A Rádio Globo se lasca.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Identificamos algumas AMs do Rio de Janeiro que solicitaram migração para FM

A lista com rádios de todo o país foi divulgada pelo Ministério das Comunicações na manhã de segunda-feira, 28 de abril de 2014. Ela pode ser baixada aqui, em formato PDF. Consultando a lista, é possível identificar algumas AMs do Grande Rio: Fluminense AM 540 (Niterói), Capital AM 1030 (Rio de Janeiro), Mundial AM 1180 (Rio de Janeiro), Record AM 990 (Rio de Janeiro), Copacabana AM 680 (São Gonçalo), Boas Novas AM 1320 (Petrópolis), Sucesso AM 710 (Rio de Janeiro), Popular AM 1480 (Duque de Caxias), Bandeirantes AM 1360 (Rio de Janeiro), Manchete AM 760 (Niterói), Globo AM 1220 (Rio de Janeiro), CBN AM 860 (Rio de Janeiro), Relógio AM 580 (Rio de Janeiro), Roquette Pinto AM 630 (Rio de Janeiro), Tropical AM 830 (Nova Iguaçu), Rádio Livre AM 1440 (Rio de Janeiro), Tupi AM 1280 (Rio de Janeiro), Canção Nova AM 1060 (Miguel Pereira), Metropolitana AM 1090 (Rio de Janeiro) e Tamoio AM 900 (Rio de Janeiro).

Não foi possível identificar algumas rádios outorgadas.

Texto publicado originalmente no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.