segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Rádio do Rio de Janeiro já foi modelo internacional

Resposta para Dial do Rio:

O rádio do Rio de Janeiro já foi modelo até internacional. Vide os clones da Cidade 1977 que se espalharam pelo mundo afora. Algumas utilizando até o mesmo nome, uma delas em Portugal.

Pra quem não sabe, clubes como Flamengo e Vasco só ganharam milhões de torcedores pelo país afora graças ao alcance e à qualidade das antigas AMs cariocas. Hoje os 'ezecutivos' e os 'burrocratas' querem amarrar o AM ao sinal local de FM. Vai ver, 'ezecutivos' e 'burrocratas' entendem de rádio e eu é que sou o burro da história.

O rádio do Rio de Janeiro é feito por gente de tudo quanto é lugar. Independente da cidade que tragam impressa lá no campo 'naturalidade' no RG.

sábado, 9 de novembro de 2013

Arthur Dapieve também em defesa da Rádio MEC AM e FM


Comentário publicado no Facebook para para texto de Arthur Dapieve:

Eu li ontem. De certa forma, temos apoio estratégicos em diversos setores, como na grande imprensa. Principalmente entre cronistas um pouco mais conservadores, como o Dapieve. Exatamente por serem conservadores, querem conservar boas ferramentas para uma boa educação musical, como são a MEC AM e FM.

Só espero que a peleja não seja mero pretexto para ataques político-ideológicos ou partidários à presidenta de plantão. Pode ser isso, mas não pode ser só isso. É algo muito maior. É a defesa de uma boa educação musical, que está dentro de um contexto ainda maior que é a boa educação com conhecimento geral.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

A Rádio MEC está em perigo - mesmo!!!

Autora: Cora Cónai. Fonte: Facebook. Texto publicado em 1º de novembro de 2013.

Amigos: há alguns meses, eu soube que a Rádio MEC estava sendo desmontada. Perguntei daqui e dali, e me disseram que não, que era apenas uma mudança de endereço, sem maiores consequências para a emissora. Fiquei contente com as explicações e não me preocupei mais com a questão.

Agora o assunto voltou à tona. E a coisa é muito mais séria do que imaginávamos -- e do que, mais uma vez, nos querem fazer crer os burocratas que a estão demolindo.

A tal mudança de endereço, ocorrida em março, foi feita a toque de caixa: numa sexta-feira, os funcionários foram avisados que teriam três dias para deixar o prédio que ocupavam há mais de 70 anos.

"O valioso acervo, os grandes estúdios, quase tudo ficou para trás" -- diz o Informativo da Sociedade dos Amigos Ouvintes da Rádio MEC. -- "Estão interditados, há mais de um semestre: o maior estúdio do país; os estúdios A e B; o Auditório; a Discoteca e suas cabines; todas as salas da AM e FM; as cabines de transmissão; os estúdios do 5º andar e, last but not least, a própria sala da direção. Tudo deserto. (....) Além disso, brevemente, os números referenciais da AM e FM no dial – 800 Khz e 98,9 Mhz – também irão mudar, por ordem do Ministério da Comunicação. O que sobrará da velha rádio?"

Na semana passada, Lauro Gomes, apresentador do programa Sala de Concerto, anunciou aos ouvintes a sua demissão e o fim do programa, que oferecia a jovens instrumentistas brasileiros a raríssima oportunidade de se apresentarem numa emissora de rádio. Além dele, dezenas de outros funcionários foram demitidos: jornalistas, produtores executivos, apresentadores, locutores, operadores de áudio, técnicos de manutenção.

Lauro Gomes também comunicou a sua demissão, e a dos seus colegas, através de um email enviado aos amigos: "Fomos demitidos. Dezenas de funcionários. A Rádio MEC agoniza, classificada como uma emissora elitista. A Cultura, a educação e a música do nosso país, são coisas para "elite". A memória e o acervo da rádio estão se perdendo, apodrecendo sem nenhuma prevenção ou conservação."

Para um ato a favor da Rádio MEC, a pianista Clara Sverner enviou algumas perguntas, até agora sem resposta:

"1) O que alega a EBC nessa troca de antigos funcionários e produtores por novos, em troca de demissões voluntárias?

2) Por que os excelentes produtores antigos foram convocados a abrir uma firma para apresentar projetos, e por que, apesar dos projetos terem sido aceitos, foram mesmo assim obrigados a pedir demissão voluntária a troco de um ano de trabalho? A maioria, com razão, não aceitou, achando um desrespeito às leis trabalhistas. Isso vindo de um orgão do governo!

3) Uma pergunta que não quer calar (como diz o Ancelmo): quem autorizou que os pianos da Rádio MEC fossem emprestados para a Cidade das Artes?!

4) Grande preocupação: como está sendo preservado o precioso acervo da Rádio MEC? Em que condições?"

Nota de esclarecimento – Rádio MEC FM do Rio de Janeiro
Fonte: EBC. Texto publicado em 30 de outubro de 2013.

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) desconhece a origem da informação que circula na web, via Avaaz, sobre a extinção da Rádio MEC FM do Rio de Janeiro. A emissora permanece no ar, com programação voltada para os diversos gêneros da música de concerto, e seu constante aperfeiçoamento faz parte dos objetivos estratégicos da EBC, conforme previsto no planejamento da Empresa de 2012-2022.

A EBC esclarece que a Rádio passa, neste momento, por mudanças decorrentes da absorção das atividades da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (ACERP), cujo contrato de gestão com a Empresa se encerra no final de 2013. Mudanças estas que, seguindo determinação legal, envolvem a substituição de funcionários da ACERP por empregados da casa.

A EBC garante que não poupará esforços para continuar levando uma programação de qualidade aos ouvintes da Rádio MEC FM do Rio de Janeiro e das demais emissoras que compõem seu sistema de rádios.

Empresa Brasil de Comunicação
Gerência de Comunicação Social

Comentários de Marcelo Delfino:

A MEC FM pode até continuar. Mas e o sucateamento da rádio, contado por Cora Cónai? Se continuar assim, a MEC FM poderá virar um mero tocador de MP3 de música clássica, com alguns poucos locutores e vinhetas. Com produção abaixo da crítica.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Jovem Pan Rio sairá do ar amanhã às 19h

A informação foi confirmada por Gilson Dodde da JB FM no grupo de discussão Dial do Rio de Janeiro (AM e FM). Vários locutores que trabalhavam na Jovem Pan Rio já anunciam no ar seus últimos horários na rádio. Até o momento, não há informação confirmada sobre a programação que substituirá a Jovem Pan nos 102,9 MHz da extinta Rádio Cidade. A tendência é que a frequência seja ocupada por um vitrolão, até a entrada no ar da nova programação.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Catedral FM transmitirá JMJ em diversos idiomas

Texto recebido por este blogue:

Jornada Mundial da Juventude 2013

A Rádio Catedral é a emissora oficial do evento. Coordenará as transmissões em vários idiomas, sendo responsável pela geração do sinal principal, bem como a geração do material para cerca de 900 rádios confirmadas na RCR (Rede Católica de Rádio) que firmou parceria com OCCLAC (Organização Católica Latinoamericana e Caribenha) e ALER (Associação Latinoamericana de Educação Radiofônica).

A Rádio Catedral contará com SEIS sinais, em tradução simultânea, com raio de alcance de 4 quilômetros, em dois locais:

Em COPACABANA: 88,3 FM – Inglês; 88,9 FM – Espanhol; 95,3 FM – Italiano; 96,9 FM – Francês; 98,7 FM – Alemão, e 98,7 FM – Polonês.

Em GUARATIBA: 88,3 FM – Inglês; 88,9 FM – Espanhol; 90,1 FM – Italiano; 101,9 FM – Francês; 104,7 FM – Alemão; 105,7 FM – Polonês.

O sinal oficial será transmitido normalmente pelo canal principal, em 106,7 FM, com informações sobre as catequeses, informações da cidade e cultura, deslocamentos dos peregrinos, além dos Atos Centrais com o Papa Francisco.

sábado, 8 de junho de 2013

Rádio Relógio quer trazer FM 105,7 para o Rio de Janeiro

Relatos de amigos do TRIBUTO: a Rádio Relógio está transmitindo não somente em AM 580, mas também na frequência AM 890 em Cantagalo e em FM 105,7 para Paty do Alferes e região. Segundo relatos, a rádio pretende trazer essa transmissão em FM para o Rio de Janeiro. A rádio também voltou a transmitir, em fase experimental, através das ondas tropicais na frequência 4905 kHz. Desde o último dia 6, a rádio divulga no ar as frequências AM do Rio e de Cantagalo e a frequência FM de Paty do Alferes.

A Relógio transmite há 64 anos, ininterruptamente, e tem pedido aos ouvintes que informem sobre a qualidade da recepção. Deviam voltar a transmitir a hora de minuto a minuto, com clareza. Além de não fazerem mais isso, fica quase impossível ouvir a hora (quando dão) com música em cima e com a rádio a bordo daquele sinal horroroso da AM 580.

De qualquer forma, o que o Rio de Janeiro menos precisa é de outro AeMão em FM. Já temos a CBN, a Band News, a Tupi e a Globo em FM, fora a Catedral FM e outras rádios com transmissões faladas em diversos horários.

sábado, 11 de maio de 2013

Há 30 anos a MEC FM faz jus ao seu slogan: "A rádio de música clássica do Brasil"

Escrito em 10 de junho de 2009, com colaboração de Thiago Regotto. Atualizado e publicado em 11 de maio de 2013 no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

A MEC FM é a tradicional rádio clássica do Rio. A história da MEC FM começa oficialmente em 10 de maio de 1983 - dia de inauguração da emissora. Porém, antes disto muita coisa aconteceu. Criada em 1923 pelo cientista Edgard Roquette-Pinto como Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, a Rádio MEC é a primeira rádio do Rio de Janeiro. Em 7 de setembro de 1936 Roquette decide doar a rádio ao Ministério da Educação e então ela muda seu nome para Rádio Ministério da Educação e Saúde. O Ministério mudou de nome neste tempo e em meados dos anos 60 o locutor Paulo Santos passou a falar no ar Rádio MEC, ao invés do longo nome Rádio Ministério da Educação e Cultura. Em 1990 a Fundação Roquette-Pinto, que até então era responsável pela emissora, foi extinta e a rádio passa para a ser administrada pela ACERP - Organização Social subordinada à Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Com a saída da rádio do Ministério pensou-se em mudar o nome da estação, mas a ideia foi logo esquecida com a sugestão do produtor Lauro Gomes: a sigla MEC poderia ser mantida, mas com outro significado: Música, Educação e Cultura. No início dos anos 80 a Rádio MEC ganhou um canal em FM, assim como outras rádios AM, Tupi, JB, Globo, etc. A FM ficou em teste desde meados de 1982 até a inauguração em 10 de maio de 1983. A programação da Rádio MEC como um todo desde o seu começo nos anos 20 foi destinada à música clássica e MPB. Com a inauguração do novo canal em FM, a direção da época optou por fazer uma transição, mesclando dupla transmissão AM+FM com horários de programações distintas. Com o tempo, a separação das programações foi aumentando, a FM ganhou programação 100% própria em meados de 1984, com clássicos em FM, mantendo a MPB em AM, como é feito até os dias de hoje.

Há 30 anos no dial FM, a MEC FM é uma das mais tradicionais rádios do Rio (é praticamente a única que mantém desde o seu surgimento a mesma linha de programação). Sua programação reúne programas e seleções musicais - 22h por dia - dedicados à música clássica, desde o seu início - medieval, renascimento e barroco - passando pela Era Clássica e os períodos romântico e moderno, e chegando até a produção dos dias de hoje. Nas outras duas horas diárias, uma é dedicada - às 23h - à música popular de estilos mais sofisticados, como jazz, choro, bossa nova e a música instrumental brasileira. A outra hora, à meia-noite, é dedicada à música clássica contemporânea e à rádio-arte, com programas que experimentam novos formatos radiofônicos. Seguindo a tradição de programas históricos do rádio brasileiro, a MEC FM apresenta toda sexta, às 17h um recital ao vivo e com a participação de público, direto do seu Estúdio Sinfônico. Outro programa que conta com a participação do público é o Clássicos do Ouvinte, onde o espectador pode solicitar por carta, telefone ou internet a música que gostaria de ouvir ou tirar dúvidas sobre música clássica.

Hoje a rádio é vinculada à EBC - Empresa Brasil de Comunicação, subordinada à Secretaria de Comunicação da Presidência da República. A Fundação dirige também a rádio MEC AM e a TV Brasil.

Matéria da EBC no dia de aniversário de 30 anos da MEC FM

DADOS DA RÁDIO

Entrada no ar: meados de 1982

Inauguração oficial: 10 de maio de 1983

Sede da outorga: Rio de Janeiro

Alcance: Grande Rio (exceto parte da Zona Oeste carioca) e arredores. A torre fica no morro do Sumaré, Rio de Janeiro.

Endereço: Praça da República, 141 A - Rio de Janeiro - RJ

Telefone: (55)(21) 2117-7853

Portal na Internet: www.radiomec.com.br

Portal na Internet da EBC: www.ebc.com.br

quinta-feira, 28 de março de 2013

Governo Federal paralisa proposta de fim da farra dos arrendamentos

Resposta para Raphael Tsavkko e Amálgama:

Com essa corja pós-pentecostal não há diálogo possível. Não porque não queiramos. Eles é que não querem. Então temos que correr atrás de nossas demandas mantendo distância dessa corja. Há anos eu participo de fóruns de debates sobre rádio, e um dos problemas que mais debatemos é a farra dos arrendamentos de horários e de emissoras inteiras, principalmente por grupos ditos "neopentecostais" e assemelhados. Há alguns meses surgiu dentro do Governo Lula-Dilma a proposta para pôr fim à farra dos arrendamentos de horários e de grades inteiras no rádio e na TV. Anotei a proposta no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro. Mas como a corja pós-pentecostal faz parte da base de apoio ao Governo Federal, os governistas nada mais fazem para levar a proposta adiante.

segunda-feira, 18 de março de 2013

As origens kardecistas da Melodia FM

Ernesto Pina, Marcelo Delfino, Marcel Cardoso, Leonardo Paiva, Amstereo Brasil e Telma Maia, a FM 97,3 do Rio de Janeiro já foi uma rádio kardecista. Tal frequência pertenceu à Rádio Rio de Janeiro 1400 kHZ que chegou a operar em FM na década de 70. Não se sabe por quê não continuou e não ficou com o canal em FM. No final da mesma década, o produtor José Messias adquire via licitação este mesmo canal, onde a partir daí nasce a Melodia. Isso foi no ano de 1979. Em 1986, Francisco Silva compra a Melodia e a transforma na maior rádio de seguimento evangélico do país.

Fonte: Dexista Ivan Dias:

Na década de 1970, a Rádio Rio de Janeiro também já transmitia em FM, na frequência de 97,3 MHz e tinha como endereço a Avenida Rio Branco, 277, 18º andar.

A fonte das informações é a confirmação de um Dexista da Suécia que hoje faz parte do meu acervo e que daqui alguns meses integrará um museu virtual de confirmações de emissoras brasileiras que inclui confirmações datadas desde 1938.

Infelizmente não tenho nenhuma gravação para compartilhar e se conseguir tenham a certeza de que estará com uma verdadeira jóia em mãos.

Ivan Dias Jr. - Sorocaba/SP
http://ivandias.wordpress.com
http://twitter.com/ivandiasjr

Escrito em 18 de março de 2013 por Leonardo Ivo para o Grupo do Tributo e publicado no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Áudio do 'Globo News Painel' será repetido pela CBN

Depois do Programa do Jô, mais um programa de TV das Organizações Globo passará a ter seu áudio repetido pela rádio CBN. Será o Globo News Painel, da Globo News, que vai ao ar aos sábados, por volta de 23h. O programa é apresentado por William Waack, aquele que também é âncora do Jornal da Globo e há anos leva uma surra da blogosfera progressista. Não sem merecimento da parte dele.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Vem aí o programa 'Taxiando' na Manchete AM


Na próxima sexta-feira dia 15 à meia-noite (já entrando no dia 16) haverá na Manchete AM 760 a estreia de um novo programa: Taxiando, com apresentação do radialista Marcelo Fernandes e da jornalista Andressa Ruela. O programa será composto por entrevistas, quadros humorísticos (roteiristas e radioatores estão sendo sondados) e histórias com personagens que circulam nas ruas do Rio de Janeiro, a cargo de Marcelo Fernandes, taxista e também locutor formado. O programa terá também um quadro de dicas voltadas para os ouvintes taxistas, e fará campanha contra práticas irregulares cometidas no meio, como o chamado tiro (cobrança de corridas com valor prévio, sem uso do taxímetro). Algumas entrevistas serão gravadas por Marcelo Fernandes em seu próprio táxi. Há planos de ele no futuro fazer intervenções ao vivo diretamente da rua, uma vez por mês, com o restante da equipe no estúdio.

Taxiando será o primeiro programa do gênero no rádio do Rio de Janeiro. Há programas semelhantes em outras localidades. O programa pretende trazer para o rádio histórias sobre taxistas e sobre a enorme variedade de passageiros que representam a diversidade da sociedade em geral.

O TRIBUTO acompanhará a estreia do programa, que será semanal e irá ao ar toda sexta-feira (já entrando no sábado) de meia-noite a 2h.

Contato do programa Taxiando

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Para Arnaldo Jabor, Gurizada Fandangueira é banda de rock


Nisso que dá Arnaldo Jabor ter um quadro na CBN pra falar, entre outras coisas, de coisas que desconhece. O negócio é sair falando desembestadamente, mesmo que as coisas ditas sejam as maiores asneiras, os maiores erros ou os maiores absurdos.

Arnaldo Jabor entende tanto de rock quanto eu entendo de astrofísica quântica. Pelo menos o Jabor disse hoje que a tal grupelho de tchê music Gurizada Fandangueira solta fogos de artifício para ocultar a sua mediocridade. Nisso ele tem razão.

Coluna de Arnaldo Jabor de hoje

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Rádio Globo do Rio de Janeiro novamente 100% local?


É um dos mais comentados assuntos nos grupos de discussão radiofônica nas redes sociais. O espaço da Rede Globo de Rádio está cada vez menor na Rádio Globo. Vários debatedores apostam na saída da emissora carioca da rede, que continuaria, sendo ancorada pela Rádio Globo de São Paulo. Há até quem aposte que o Show do Antonio Carlos não será mais transmitido pela Globo São Paulo, há quem pergunte se o único programa de fora do Rio que permanecerá na Globo Rio será o Momento de Fé do Pe. Marcelo Rossi e há quem aposte que a separação da Globo Rio da rede será em março. A conferir.

É bom a Globo Rio sair da rede. Bom para o dial carioca. Falta recriarem aquele gostoso formato de rádio carioca que a Rádio Globo tinha há 11 anos atrás. Só que demoraria sei lá quantos anos para recriarem o que demoraram poucos anos para destruir na década passada.

Há outro problema: a programação que estão criando agora ignora completamente o que se passa em outras regiões do país. Coisa que nem a Rádio Globo em seus áureos tempos fazia. Depois da Rádio Globo em rede e da saída do Haroldo de Andrade, a Rádio Globo quer falar agora para um carioca provinciano e xenófobo que inventaram. Tudo isso num centro turístico de importância mundial.

O Show do Antonio Carlos jamais deveria ter ido pra rede. Devia ficar só no Rio. Dá para perceber que eles não ficam à vontade tendo que dar satisfação a realidades locais de ouvintes de fora do Rio de Janeiro. Antonio Carlos, Jussara Carioca, Gelcio Cunha, Hermelinda Rita, Aldenora Santos, Zora Yonara, o pessoal do esporte... Sem contar que eles tem que correr várias vezes com os blocos locais para entrarem os blocos nacionais acertados a fórceps com o departamento comercial. Antonio Carlos deve sentir falta de falar "seja bem vindo à Cidade Maravilhosa" para os viajantes que chegavam ao Rio. Não dá para falar isso em rede.

CBN toca 'lados B'. Mas só como trilha sonora


Foi o que a rádio CBN fez hoje. Nesta semana, a primeira edição do Jornal da CBN está exibindo por volta de 6:25 (ou um pouco depois) reportagens sobre mulheres que comentem crimes e que por isso são condenadas e presas. Nas reportagens, estão entrevistando presidiárias, que contam como elas se envolveram com o crime, muitas vezes como cúmplices de namorados e companheiros criminosos, algumas delas se tornando elas mesmas líderes de quadrilhas. Ontem entrevistaram uma ex-criminosa, que hoje trabalha no grupo cultural Afroreggae.

Hoje usaram como trilha sonora para a reportagem a música Sexo e dólares, do LP Kid (1989), do Kid Abelha.

Só assim mesmo para a CBN tocar 'lados B' do Kid Abelha ou de qualquer artista que seja. Nessa rádio que repete notícia, é proibido tocar música inteira. Já houve quem dissesse que a CBN toca no máximo 30 segundos ininterruptos de uma música, pra não ter que pagar direitos autorais. É o que fazem nos quadros musicais do CBN Total, à tarde, como Viva Música! e Sala de Música. Onde já se ouviu quadro jornalístico sobre música não tocar música inteira? Na CBN.

Haveria muitas oportunidades para a CBN tocar músicas inteiras, justificando a existência de várias FMs na rede. Além das reportagens e quadros jornalísticos, efemérides não faltam. Em grupos musicais, então, mais ainda. O Kid Abelha, por exemplo, tem as efemérides do grupo, da Paula Toller, do George Israel e do Bruno Fortunato.